segunda-feira, 30 de maio de 2011

Macca OFF Show

Só não consegui a foto dele e da Nancy pedalando no aterro do Flamengo. Quem tiver pode me mandar, por favor.
video
Filmei a chegada de Paul ao Engenhão, no domingo. Fiquei a 1 metro dele...

 O despertar descabelado depois do primeiro show

Velejando solitariamente na Baía da Guanabara

Cláudia Tapety e seu bonecão em frente ao Copacabana Palace

sábado, 28 de maio de 2011

Fotos do Rio

 O ingresso
 O cara em ação
 A hora dos "Nananana", de "Hey Jude". Ele ficou mesmo emocionado.
Chuva de papel para sir Paul

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Again and Again and Again

Só o fato de saber que Paul McCartney vai tocar já é o suficiente para eu querer assitir. Mesmo sendo o show que já vi outras vezes, vale o esforço. O cara é uma lenda viva da música universal, está com a voz em cima, tem uma banda excelente, um repertório impecável e consegue fazer um show de quase 3 horas sem que ninguém sinta cansaço.

Paul representa hoje o legado dos Beatles. Em seu show, ele passa pela sua carreira solo, bem como por sucessos do quarteto de Liverpool, além de fazer homenagens tocantes a seus parceiros John Lennon e George Harrison. Ringo Starr, o outro membro vivo, está mais sossegado, gravando pouco, tocando com uma banda de músicos amigos, sem maiores pretensões. Sim, Paul é o cara que simboliza a beatlemania hoje. E isso mexe com meu emocional. Gosto dos Beatles há 40 anos e acho que não vou enjoar nunca. Tolero que falem mal deles, finjo que não ouço, engulo seco, consigo enxergar seus poucos defeitos e mesmo assim, não vejo nenhum grupo que possa sequer chegar perto de tudo o que eles representam.

Certamente que, para mim, há um sacrifício quando saio para um show. Deixo aqui minha esposa e meu filho, que precisam de mim diariamente, por motivos que todos sabem, deixo meu trabalho e meus afazeres para me deslocar centenas ou milhares de quilômetros para ver o que para alguns é apenas uma apresentação musical. E ainda faço um gasto considerável em tempos bicudos. Eu sei que muitos me criticam e nem entendem o motivo de tal ato. E os compreendo. Só que sei muito bem o que faço e não comprometeria minha vida por um show. Há equilíbrio sim, permeado por um tanto de loucura e impulsividade.

Outro fator que me estimula demais a ir a um show desses é estar junto a meus iguais, a meus pares. Gente que sai do Rio Grande do Sul, Bahia e Brasília, gente que acaba de torcer um pé e vai mesmo engessado, gente que vende sua melhor guitarra para poder comprar um ingresso melhor, gente que tem que pedir de joelhos ao chefe para poder ir, gente que pede dinheiro emprestado para pagar as passagens de ônibus, gente que vai de carona do Paraná ao Rio, gente que trabalha feito louco durante um mês para conseguir matar dois dias de serviço, gente que leva o filho pela primeira vez a um show, gente que atravessa o Atlântico para estar lá, gente que vence o medo de andar de avião, gente que manda fazer um boneco de Olinda com a cara de Macca, gente que faz festa de aniversário para ele todos os anos, gente que economiza tudo para poder ver um 'soundcheck' e comer um almoço vegetariano, gente que já teve a honra de apertar a mão de Paul e Ringo, gente que enfrenta as barreiras de se deslocar em sua cadeira de rodas, gente que guarda cada centavo para poder gravar uma música em Abbey Road, gente com tatuagem dos Beatles pelo corpo, gente que chega de viagens longas e cansativas ao exterior e embarca direto para não perder o show, gente que deixa marido e filho pequeno em casa, gente que está lá apenas em espírito, pois não pôde ir pelos mais variados motivos. Enfim, gente que, como eu, não mede esforços para ver o maior músico vivo do mundo tocar sua música. Que quer estar no meio dessa massa uniforme e pacífica que vibra a cada acorde, que se enche de emoção com cada verso que ele declama.

domingo, 22 de maio de 2011

Hoje tem Macca no Rio

Foto do Maracanã lotado no show de 1990

Depois de 21 anos, Paul McCartney volta a tocar hoje no Rio de Janeiro. O show será no estádio do Engenhão, a partir de 21 horas, e poderá ser acompanhado pela internet, em transmissão HD, através do portal Terra (http://paul.terra.com.br/). Imperdível!!!

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Fotos de Lima

Chegada ao belo estádio Monumental de Lima
Paul cartoon em tamanho natural
Amigos do Peru, David e noiva, e o mano Maurício Cabeça
Homenagem dos peruanos a Paul
On stage
Gulp!... "Here Today" é fogo...
Até o Rio, sir Paul!!!

Álbum completo de fotos: https://picasaweb.google.com/100837666906175605442/PaulEnPeru?authkey=Gv1sRgCIDQybaelr-_7gE

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Paul en Lima

Carregado de ansiedade, parti para meu primeiro show de Paul McCartney fora do Brasil. Já havia visto apresentações em 1990 no Rio de Janeiro, 1993 em São Paulo e as duas do ano passado em Porto Alegre e São Paulo. Todas boas, embora as de 2010 tenham sido mais carregadas de emoção.
Creio que para os peruanos tenha sido um show inesquecível. Paul nunca havia se apresentado no país e nenhum grande artista costuma fazer shows naquelas plagas. A ansiedade era imensa, conforme se via nas ruas da cidade, nas capas dos jornais e nas matérias da televisão. E, realmente, foi uma noite para não ser esquecida.
A chegada ao estádio foi um pouco confusa, pois o trânsito da capital peruana é um tanto desordenado. Já a entrada ao gramado aconteceu sem problemas ou empurra-empurra. Um jornal peruano "El Comercio" distribuiu milhares de pôsteres com os dizeres "Peru Loves You", que deveriam ser erguidos logo após o fim de "Jet", que é a segunda canção do show.

A entrada de Paul surpreendeu, pois foi ao som de "Hello Goodbye" e não de "Magical Mistery Tour" ou "Venus and Mars", como nos shows do ano passado. Foi um frenesi, um êxtase coletivo. A ordeira plateia peruana vibrou, gritou e cantou junto. A banda de Paul continua perfeita, correta, sem estrelismos ou excessos. O show transcorreu sempre com o astral lá no alto, com as imagens projetadas no telão de fundo do palco diferentes das do show do ano passado. Paul não tocou "My Love", em homenagem à sua "gatchinha Linda", o que levantou rumores que seja por causa do seu recente noivado com Nancy Shevell. Pode até ser, mas que fez falta, fez. É uma música belíssima e sempre aguardada em suas apresentações.
Ele tocou 3 músicas a menos do que vinha tocando, o que encurtou o show em cerca de 15 minutos. Nada que pudesse tirar o brilho dessa histórica apresentação. O público delirou do começo ao fim e deixou o estádio daquele jeito que a gente já conhece: pisando nas nuvens, felizes, certos de terem visto uma apresentação do maior músico de rock de todos os tempos.

P.S.: Dia 18/05/2011 postarei mais fotos.

sábado, 14 de maio de 2011

Mucho Loco

Um amigo meu captou esse elemento tocando uma "Ticket to Ride" em pleno centro de Buenos Aires, na Argentina.

quinta-feira, 12 de maio de 2011

Hard Rock

Um dos cartazes utilizados em uma campanha do Hard Rock Café de Buenos Aires, na Argentina. Além desse, dos Beatles, tem um do Bob Marley e um do Eric Clapton. Vale a pena clicar nele e reparar nos detalhes.
Veja todos aqui: http://mixvisual.wordpress.com/2011/05/02/hard-rock-cafe/
Obrigado ao Thiago Pagin do blog MixVisual

terça-feira, 10 de maio de 2011

domingo, 8 de maio de 2011

Quadro

Cada ponta desse quadro foi pintada por um beatle, em 1966, no Japão. É uma peça única:
Obrigado a @pauloback

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Lennon no Café

A "Latte Art" é um trabalho fenomenal, veja o que um artista fez com espuma de leite e café:
Tirado do facebook do amigo Sérgio Parreiras Pereira. Tks!!

quarta-feira, 4 de maio de 2011

segunda-feira, 2 de maio de 2011

Instrumentos

Foto dos instrumentos, por volta de 1965. Dá até pra dar uma engasgada...
Pode até ser fake, mas é bem feita a montagem da cena e a foto em si.